Sábado, 25 de Maio de 2019
política
Vereadores questionam ida de presidente interino da Itaurb à Câmara

Diretor-presidente da Itaurb, Sebastião Onofre Silva “Tãozinho”, está de férias. Neste período, Cláudio Santos assume a presidência da empresa interinamente

Publicado em 14/05/2019 - 20h45
Cláudio Santos usou a tribuna para falar sobre a demissão dos 160 rondantes da Itaurb. Foto: Divulgação/CMI

A ida do diretor administrativo da Empresa de Desenvolvimento de Itabira (Itaurb), Cláudio José dos Santos, à Câmara Municipal gerou polêmica durante a reunião desta terça-feira, 14 de maio. Ele compareceu ao Legislativo para fazer uso da tribuna e explicar a  respeito da dívida da empresa e sobre as demissões dos 160 rondantes, conforme requerimento aprovado.

Contudo, o documento convocava nominalmente o diretor-presidente da Itaurb, Sebastião Onofre Silva “Tãozinho”, que está de férias. Neste período, Cláudio Santos assume a presidência da empresa interinamente. O primeiro a questionar a ausência de Tãozinho foi o vereador André Viana Madeira (Podemos), que não aceitou ouvir o presidente interino da Itaurb e se retirou do plenário enquanto Cláudio Santos fazia uso da tribuna.

“Estamos rasgando o regimento interno”, disparou o vereador. Houve uma intensa discussão e vários outros parlamentares seguiram a postura de André Viana e se retiraram do plenário.

“Estamos rasgando o regimento interno”, disparou o vereador André Viana. Foto: Thamires Lopes/DeFato Online

O ato deixou Cláudio Santos claramente constrangido. Em seu discurso, o presidente interino da Itaurb citou que a empresa possui 803 funcionários, sendo que apenas 36 são cargos comissionados nomeados. Ele citou sobre a dívida da Itaurb: em torno de R$ 48 milhões.

Lembrou ainda que o  atual contrato de vigilância patrimonial contempla 267 rondantes e será reduzido para 107. A empresa Stratum Segurança, de Belo Horizonte, prestará serviços de aluguel de equipamentos de segurança eletrônica, monitoramento de sistema de alarme e imagens, sete dias por semana, 24 horas por dia.

A medida, alega o Executivo, é necessária para que não haja a demissão de cerca de 900 outros funcionários da empresa já que ela é deficitária. O  prefeito, inclusive, chamou para si a responsabilidade dos cortes.

“Apesar de não ser o presidente oficial, o represente da Itaurb disse que o processo das demissões é inevitável, e, infelizmente vamos recorrer à Justiça contra essa ação. Até sugeri que esses vigilantes sejam afastados, sem salários, para encaixá-los posteriormente após a recuperação financeira da prefeitura”, disse o autor do requerimento, o vereador Weverton Andrade “Vetão” (PSB).

Weverton Vetão é o autor do requerimento que convocava Tãozinho para fazer uso da tribuna. Foto: Thamires Lopes/DeFato Online

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.