Segunda-feira, 22 de Abril de 2019
ECONOMIA
Vale projeta reativar Brucutu até o fim da semana

Mina voltará a funcionar em sua capacidade plena após liberação de barragem em São Gonçalo do Rio Abaixo

Publicado em 17/04/2019 - 11h23
Mina de Brucutu, da Vale, em São Gonçalo do Rio Abaixo - Foto: Divulgação

A Vale informou que pretende reativar a mina de Brucutu em sua capacidade plena até o fim desta semana. A medida, importante para a produção anual da empresa, só será possível depois que a Prefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo entrou com um recurso no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para derrubar parcialmente uma liminar que impedia o uso da Barragem Sul, instalada em seu território.

A decisão que liberou a barragem, assinada pelo presidente do TJMG, desembargador Nelson Missias de Morais, foi divulgada nessa terça-feira, 16. No mesmo dia, à noite, a Vale informou que a previsão para a reativação de Brucutu era de 72 horas, que daria na sexta-feira (19).

De acordo com a mineradora, a reativação de Brucutu em sua integralidade acrescenta um volume produtivo de 30 milhões de toneladas/ano ao seu guidance de vendas.

Histórico

A mina de Brucutu está com a produção afetada desde o início de fevereiro, quando uma ação do Ministério Público interrompeu o funcionamento da Barragem de Laranjeiras, instalada em Barão de Cocais. Desde então, somente a planta de finos da usina, que dispensa o tratamento a húmido, está em atividade, o que representa algo em torno de 10% da capacidade da mina.

+ Leia tudo sobre o histórico da Mina de Brucutu

A Vale conseguiu comprovar a estabilidade de Laranjeiras na Justiça e obteve autorização para voltar a utilizar a estrutura. Porém, no fim de março, quando se preparava para reativar Brucutu, uma nova ação, desta vez na Barragem Sul, em São Gonçalo do Rio Abaixo, frustrou o plano da empresa.

A Prefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo entrou no imbróglio na semana passada, quando impetrou na Justiça um recurso para derrubar a liminar que foi concedida pela Justiça de Santa Bárbara ao Ministério Público de Minas Gerais. E conseguiu. Nessa terça-feira foi divulgado que a Barragem Sul está liberada para uso e Brucutu pode ser reativada.

A Administração Municipal alega que a estrutura possui atestados de estabilidade e que a paralisação da mina impacta diretamente na arrecadação da cidade e na prestação de serviços aos são-gonçalenses. A estimativa era de que as perdas chegassem a R$ 230 mil por dia com o não recolhimento dos royalties da mineração.  


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.