Domingo, 26 de Maio de 2019
Saúde pública
“Se o Hospital Margarida fechar, vai sobrar para todo mundo”, diz provedor

Principal instituição de saúde de João Monlevade está à beira do colapso financeiro

Publicado em 09/05/2019 - 15h11

Um eventual fechamento do Hospital Margarida, de João Monlevade, deixaria pacientes de pelo menos sete cidades da região sem saber para onde ir. A instituição está à beira do colapso financeiro, com salários atrasados e endividamento. “Tem vários hospitais na mesma situação. Se não acontecer alguma coisa, não vai fechar só o Hospital Margarida, vai fechar diversos hospitais e pode morrer muita gente”, declarou o provedor José Roberto Fernandes à reportagem do DeFato Online.

Para agravar a situação, Monlevade vive atualmente uma situação grave em relação à dengue, com 314 casos suspeitos, 64 confirmados e três mortes confirmadas.

As autoridades de saúde do município ainda não têm um plano B, mas, na hipótese de o hospital parar de funcionar, a demanda, segundo o provedor José Roberto, seria redirecionada principalmente para as cidades de Belo Horizonte, Ipatinga e Itabira.

O provedor alerta que, se o atendimento for interrompido, pode acontecer um efeito dominó na região inteira. “Se a gente fechar, é possível que outros hospitais fechem junto ou fechem logo depois, porque as instituições não aguentariam atender todo mundo sem receber. O problema não é só nosso. É um clamor dos hospitais filantrópicos do Estado inteiro”, disse, referindo-se à falta de repasse de verbas por parte dos governos do Estado e Federal, que atinge também outros municípios mineiros.

Com dívidas de R$ 16,5 milhões, Hospital Margarida vive a pior crise da história

Crise no Hospital Margarida em Monlevade compromete saúde em sete municípios

Salários atrasados e surto de dengue agravam crise no Hospital Margarida em Monlevade

Atendimento regional

De acordo com dados do setor de controle da Secretaria Municipal de Saúde de João Monlevade, em 2018 o Hospital Margarida realizou 4.863 internações, 2.314 tomografias, 27.503 sessões de hemodiálise e 297.435 atendimentos ambulatoriais, raios-x e exames diversos.

O relatório inclui pacientes da própria cidade, da BR-381 e dos municípios de Rio Piracicaba, São Domingos do Prata, São Gonçalo do Rio Abaixo, Nova Era, Alvinópolis, São José do Goiabal e Bela Vista de Minas.

 


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.