Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019
AÇÃO
Projeto quer levar Jiu-Jitsu a jovens do Gabiroba

Para que a ação possa atender aos adolescentes, é necessária a ajuda da população itabirana

Publicado em 05/02/2019 - 10h31

Uma das principais formas de desenvolver a auto confiança, defesa pessoal e disciplina, as artes marciais oferecem aos praticantes, entre vários benefícios, a melhoria na qualidade de vida. O elo entre o papel social e o desempenho de modalidades que podem contribuir para a formação de cidadãos conscientes deve ser reconhecido.

Com o intuito de proporcionar responsabilidade e obediência a crianças e adolescentes, o projeto “Jiu-Jitsu Salvando Vidas” surge em Itabira e prevê a participação inicial de 30 jovens, entre 6 e 17 anos, no aprendizado e desenvolvimento do esporte.

A ação prevê a participação de 30 jovens, entre 6 e 17 anos

Liderada e idealizada pelo monlevadense que atualmente mora em Itabira, John Maycon, a iniciativa começou como um projeto extraclasse na Escola Marciana Magalhães, com a participação de alunos entre o 6º e 9º ano. “Tendo contato e conhecendo um pouco da rotina daqueles jovens, percebemos a necessidade de envolve-los em outras atividades, como o jiu-jitsu. Queremos dar continuidade ao projeto fora da sala de aula, com o objeto de impedir o envolvimento desses adolescentes com o mundo das drogas e criminalidades. Queremos formar futuros homens e mulheres de caráter, que ajudem a construir uma sociedade melhor e mais equilibrada”, explica John.

A iniciativa começou como um projeto extraclasse na Escola Marciana Magalhães

John treina a modalidade há três anos, é aluno de Hagner Barbosa na equipe Caveirinha Family. Campeão de diversos campeonatos, incluindo o Panamericano da Liga Brasileira de Jiu-Jitsu.

O atleta ainda destaca um pensamento ensinado por seu professor, Hagner, sobre a finalidade da modalidade. “Jiu-Jitsu não separa o fraco, o menos talentoso ou aqueles com uma natureza menos competitiva. O fraco se torna forte, o menos talentosos adquirem mais talento e todos se tornam mais confidentes. Jiu-jitsu só separa aqueles que param de treinar.”

Ajuda

Para que o projeto possa ser colocado em prática, a ajuda e a participação popular é muito importante. A compra de tatames e kimonos é indispensável e para isso, cada aluno precisa de um apadrinhamento no valor de R$130, que serão utilizados para a aquisição de uma placa (uma peça do tatame) e a vestimenta de luta.

Os contatos para maiores informações sobre a atividade são: (31) 986998261 – John e (31) 988621763 – Juliana. A conta para depósitos de apadrinhamentos é Branco do Brasil, Agência 0767-6, Conta 48.254-4 (Juliana Carolina Costa Cunha).


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.