Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
ECONOMIA
Nozinho receita diversificação para que a bonança da mineração não se transforme em caos

Deputado majoritário em Itabira e cidades vizinhas afirma que a região do Médio Piracicaba tem de estimular outros potenciais e que o Governo do Estado deve ser parceiro nessa missão

Publicado em 12/06/2018 - 16h49
Deputado Nozinho bate na tecla da diversificação econômica - Foto: Divulgação

A notícia de que as minas de Itabira poderão deixar de produzir minério de ferro em 10 anos chacoalhou a cidade. O município, como vários outros com perfil econômico semelhante, corre atrás da diversificação para que a exaustão da atividade extrativista não signifique um desastre social.

Deputado majoritário em Itabira, Nozinho (PDT) demonstra preocupação com a situação econômica do município e das demais cidades mineradoras da região. Ex-prefeito de São Gonçalo do Rio Abaixo por dois mandatos, ele tem experiência de como é coordenar uma Prefeitura com forte dependência dos royalties e outros impostos da mineração.

Para Nozinho, a região do Médio Piracicaba tem de estimular outros potenciais e o Governo do Estado deve ser parceiro nessa missão, especialmente para “priorizar ações para amenizar esse desequilíbrio, sobretudo os sociais, possibilitando mecanismos de geração de emprego e renda”.

Em entrevista ao programa Assembleia Debate, da TV Assembleia, cujo tema era o desenvolvimento das regiões Central e Metropolitana, Nozinho argumentou que a região do Médio Piracicaba sofreu muito com a última grande crise financeira justamente porque não tem alternativas econômicas capazes de equilibrar a balança com a mineração. “É preciso investir em infraestrutura, como é o caso da BR-381, que atrapalha muito o desenvolvimento da região; o turismo, que é um setor que precisa ser mais estimulado; e o agronegócio, um setor quase sem representatividade na região. O governo precisa buscar esses mecanismos de fortalecimento”, afirmou.

Outro setor que deve ser estimulado, na opinião do deputado, é o da educação, que poderia servir como propulsor para a indústria de base tecnológica. “Considerando o parque educacional existente, formado por conceituadas universidades de tecnologia, como Unifei, Uemg e Ufop, além de outras instituições de grande relevância para a educação na região, justifica uma política de industrialização para a região”, comentou.

Como deputado, Nozinho é autor de projetos que visam estimular a diversificação econômica nos municípios da região, como, por exemplo, o que “Cria a Política de Desenvolvimento Industrial da Região Médio Piracicaba” (PL 4261/2017); outro que “Cria a Política de Incentivo e Desenvolvimento à Cultura de Produção de Banana na Região Centro-Leste” (PL 2088/2015); o que “Institui no Estado de Minas Gerais as Áreas de Interesse Turístico e Cultural” (PL 3267/2016); e o “Programa de Fortalecimento do Turismo na Área de Influência da Serra do Caraça” (PL 3546/2016). 

“As cidades que têm mineradoras ficam com as receitas somente voltadas para a mineração. A mineração com responsabilidade faz um bem para nossas cidades e nosso estado, mas é preciso que os municípios busquem receitas diferenciadas. Tem que investir em diversificação da economia, ir atrás de outras alternativas. Para que não sintam tanto o impacto de preço de commodity, igual foi neste último ano. Eu vejo que os municípios, quando estão arrecadando muito, ficam na gastança, depois, quando falta o dinheiro, gera o caos”, disse o deputado, em entrevista ao programa da ALMG.

LEIA TAMBÉM


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.