Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
INICIATIVA
Músicos itabiranos produzem clip e propõe debate sobre a profissão

O projeto é aberto a toda comunidade musical de Itabira e tem como proposta promover ações para divulgar o trabalho dos músicos e conscientizá-los sobre questões de mercado e prestação de serviço

Publicado em 13/02/2019 - 17h28

Ser músico é escolher um estilo de vida capaz de observar o mundo a sua volta e traduzi-lo em formato de canção. Os primeiros dados documentados sobre a profissão foram através de composições musicais gravadas trezentos anos antes de Cristo nas paredes da Casa do Tesouro de Delfos, na Grécia. Uma das profissões mais antigas do mundo e uma das mais admiradas da atualidade, ser músico é dedicar integralmente ao corpo e a voz de forma original.

Em Itabira, a cultura musical é latente e formações musicais fazem parte do cenário artístico cotidiano da região. Pensando nesse contexto, alguns músicos da cidade decidiram conversar sobre o futuro da profissão, condições de contratação e autovalorização a fim de orientar novos profissionais e propor melhorias para a classe. O projeto é aberto a toda a comunidade musical do município e tem como proposta promover ações para divulgar os trabalhos e também conscientizar a classe sobre questões de mercado e prestação de serviço.

Em entrevista, segundo Gleison Prata, Binho Borges, Giovane Borges e Jam Matos, integrantes desse movimento que já conta com vários músicos com carreira estabelecida e outros que estão iniciando na profissão, o projeto foi abraçado pelos próprios músico que buscaram parcerias para gravar um clipe. . Ao som de “Stand By Me”, a produção audiovisual reuniu músicos independentes na icônica Praça do Areão, em Itabira, para apresentar à população a inciativa

Para Binho, além do clipe divulgar o trabalho de cada um individualmente, ele também mostra como é possível reunir a classe de músicos. “Esse movimento nos ajuda a unir a classe musical. Isso faz com que a gente se conheça. O grupo gera essa facilidade para dar abertura para quem tem interesse em participar”, explica o baterista.

Outro ponto importante ressaltado pelo projeto é a relação estabelecida entre contratante e contratado no contexto musical. De acordo com Gleison, a necessidade de entender o mercado surgiu como resposta. “Saber sobre esse processo nos fortalece para entregar um produto de qualidade e sermos valorizados em um cenário bem definido”, afirma o vocalista. Gleison ainda esclarece que o retorno financeiro e o reconhecimento acontece depois da entrega de um produto de qualidade que satisfaça o contratado e também o contratante.

O guitarrista Geovani também acredita que entender as duas partes interessadas na prestação de serviço é de extrema importância. “Esse processo ajuda o músico a construir uma postura de mercado, para que haja uma parceria de ambos. O público nos valoriza, mas o contratante nem tanto. O músico tem que ter autoridade para propor a parceria que seja benéfica e criar a condição”, reforça.

Com disciplina e dedicação, Jam aposta no grupo como uma oportunidade de criar um elo entre os músicos da cidade e os contratantes, além de propor a troca de experiência entre ambos. “Nós entendemos os gastos que os contratantes possuem, só que a gente quer lutar pela nossa valorização. Nós esperamos que esse clipe seja um ponta pé inicial e que sirva de convite para quem quiser participar do movimento”, pontua o violinista e vocalista.


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.