Sábado, 15 de Dezembro de 2018
ECONOMIA
Mineração concentra ¼ dos empregos e quase a metade da massa salarial de Itabira

Estudo encomendado pelo vice-presidente da Câmara de Vereadores, André Viana, expressou em números o tamanho da dependência que o município tem de sua principal atividade econômica

Rodrigo Andrade Publicado em 05/12/2018 - 16h41
Dependência total: mineração controla rumos econômicos de Itabira - Foto: DeFato

A mineração está intrinsecamente ligada à história de Itabira. A relação de mais de sete décadas ganhou status de dependência com o passar dos anos e agora tem data prevista para acabar. Ou, pelo menos, ficar bem mais fraca. Desde a informação da Vale de que as minas itabiranas se exaurem em dez anos, cresceu na cidade a preocupação com a economia local. E um estudo encomendado pelo vice-presidente da Câmara de Vereadores e presidente do Sindicato Metabase, André Viana (PODE), mostra que o baque realmente será grande caso projetos de diversificação não avancem.

+ Leia também: Gerente da Vale confirma planejamento para tratar minério de outras cidades em Itabira
+ E mais: Ações de Itabira contra a Vale ultrapassam R$ 10 bilhões

O levantamento analisa as finanças de Itabira e traça um panorama sobre a dependência do município para com a mineração. O estudo foi desenvolvido pelo Instituto Latino-Americano de Estudos Socioeconômicos (Ilaese) e aborda dados recentes que expressam em números o tamanho e a intensidade do vínculo entre o dinheiro que circula na cidade e a atividade extrativista.

Segundo a análise, a mineração concentra 27,4% dos pouco mais de 31 mil empregos formais registrados em Itabira. O setor lidera com folga o ranking de contratações, seguido pelo comércio, detentor de 14,7% dos postos de trabalho. A administração pública é o terceiro segmento da lista, com 8,8%.

A dependência fica ainda mais latente quando analisada a circulação do dinheiro. De acordo com o estudo do Ilaese, a massa salarial de Itabira alcança R$ 77,1 milhões por mês. Desse montante, 47,7%, ou algo em torno de R$ 36 milhões, provém da mineração. A administração pública aparece bem abaixo, com 10% da concentração de salários, seguido do comércio com 7,6%.

“Ao analisar os dados, eu nem consigo dissociar o salário da mineração ao do comércio, por exemplo. Os dois têm de estar em um bloco só, porque se a mineração acabar o dinheiro para de circular. E aí não existe comércio”, comentou André Viana, enquanto mostrava o estudo para um plenário esvaziado de vereadores. Em determinado momento, somente cinco acompanhavam a apresentação do colega.

André Viana apresentou relatório na Câmara de Itabira – Foto: Rodrigo Andrade/DeFato

Dependência x falta oportunidade

No ano passado, segundo os dados informados pelo vereador, a Compensação Financeira por Exploração de Recursos Minerais (Cfem) representou 10% de toda arrecadação de Itabira. Em 2018, o índice deve ficar ainda maior, com a mudança na alíquota que turbinou o royalty da mineração.

Apesar da dependência clara da exploração mineral em Itabira, um dado da pesquisa chama atenção. De acordo com a análise, somente 12,2% dos cursos técnicos – principal porta de entrada para atuar na mineração – é ofertado publicamente. Os outros 87,8% estão na rede privada.

“Ou seja, só consegue se preparar para trabalhar na mineração quem tem dinheiro para pagar. Quando a empresa abre vagas, reclamamos que não são contratados os itabiranos e eles argumentam que as pessoas da cidade não têm a formação necessária. Esse quadro precisa ser alterado urgentemente”, defendeu o vice-presidente da Câmara.

O relatório ainda traz dados mais específicos da administração pública, como balança comercial e gastos com pessoal, saúde e educação. Para André Viana, os números apresentados escancaram a necessidade de o fim da mineração ser tratado com “muita seriedade”.

“Fica claro que a cidade hoje não está preparada para o encerramento das atividades. Temos pouco tempo para reverter esse quadro de dependência. Isso não é discurso de pânico, é realidade”, finalizou.


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.