Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
Economia
Conta de luz ficará em média 8,73% mais cara em Minas Gerais

Escassez de chuvas do ano passado, quando as usinas termelétricas, que são mais caras para produzir energia, influenciou decisão da Annel

Estadão Conteúdo Publicado em 21/05/2019 - 17h39
Foto: Marcos Vieira

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 21 de maio, um reajuste médio de 8,73% para os consumidores da Cemig Distribuição (Cemig-D). A nova tarifa entra em vigor a partir da próxima terça-feira, 28 de maio.

Segundo a Cemig, o reajuste para consumidores de baixas tensão (residenciais) foi de 6,93% e para os de alta tensão (indústrias) será de 10,71%.

Ainda de acordo com a companhia mineira, “o que mais influenciou a decisão da Aneel para esse aumento foi a escassez de chuvas do ano passado, quando as usinas termelétricas, que são mais caras para produzir energia, foram acionadas constantemente em quase todo o segundo semestre”.

Conforme a Aneel, o reajuste da Cemig foi impactado pelo aumento dos custos de aquisição de energia, como por exemplo, da Usina Hidrelétrica de Itaipu que é precificada em dólar.

O pagamento do empréstimo da Conta ACR contribuiu para redução de 2,85% no reajuste. A Aneel lembra que a Conta-ACR foi um mecanismo de repasse de recursos às distribuidoras para cobertura dos custos com exposição involuntária no mercado de curto prazo e o despacho de termelétricas entre fevereiro e dezembro de 2014.

Já a bandeira tarifária contribuiu para reduzir em 4,96% o índice final do reajuste da empresa mineira. A distribuidora fornece energia para 8,4 milhão de unidades consumidoras localizadas 774 municípios no Estado de Minas Gerais.


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.