Segunda-feira, 22 de Abril de 2019
Saúde pública
Conceição do Mato Dentro registra 28 acidentes com escorpião este ano

Animais peçonhentos são encontrados em várias regiões da cidade e zona rural

Publicado em 22/03/2019 - 09h21
Foto: Célio Henrique

Com 28 acidentes com escorpião registrados este ano, o que dá uma média de um acidente a cada três dias, e com os animais peçonhentos sendo encontrados em vários locais, o município de Conceição do Mato Dentro está preocupado com a incidência desses bichos, cujo veneno pode até matar. Um morador da cidade fotografou um escorpião na avenida JK, principal via da cidade, em frente à Câmara Municipal. “Precisamos que seja feita uma força-tarefa para buscar soluções”, comentou o autor da foto.

A Prefeitura de Conceição do Mato Dentro informou que dos 28 acidentes registrados com escorpião este ano, 13 ocorrências foram em janeiro, sete em fevereiro e oito até agora em março. A Prefeitura informou ainda que vem fazendo campanhas para alertar sobre o aumento da incidência dos escorpiões nesta época do ano, com distribuição de cartilhas, campanhas com estudantes, visitação, entre outras ações para informar a população. Quando acionado, o Setor de Zoonoses vai até o local.

A Vila Caetano foi o bairro com maior índice de acidentes, tendo registrado oito acidentes: cinco casos em janeiro e três em março. O bairro São Francisco aparece em segundo lugar, com cinco casos: dois em janeiro, um em fevereiro e dois em março. O bairro Cruzeiro registrou quatro casos no total e fica em terceiro lugar. Destes, dois foram em janeiro e dois em fevereiro. Também registraram acidentes envolvendo escorpiões os bairros: Bandeirinha (2), Barro Vermelho (2), Córrego Pereira (1), Santana (1) e Centro (1). Na zona rural de CMD houve registro de casos em Santo Antônio do Norte (Tapera 1), Tabuleiro (1), Três Barras (1) e Ouro Fino (1), o que mostra que o problema atinge toda a cidade.

Minas Gerais
Em 2018, foram registrados cerca de 45 mil acidentes com animais peçonhentos em Minas Gerais, incluindo escorpiões, sendo que 66 pessoas morreram. Esses números aumentaram em relação ao ano de 2017 quando ocorreram cerca de 40 mil casos e 58 óbitos. o Hospital João XXIII, da Rede Fhemig e localizado em Belo Horizonte, é referência no atendimento de vítimas de escorpiões e outros animais peçonhentos. Somente em 2018, foram realizados 1.832 atendimentos devido a acidentes causados por escorpião.

Somente nos primeiros 42 dias deste ano, sete pessoas já morreram vítimas de picadas de escorpião, o que representa uma morte a cada seis dias em Minas Gerais. Esse número aumentou em relação ao ano passado, quando foram registradas em média uma morte a cada nove dias.

Os escorpiões são aracnídeos, que compreendem cerca de 2.000 espécies no mundo e 130 no Brasil, das quais apenas quatro são responsáveis pela maior parte dos ataques a humanos no país – que não são poucos e vêm crescendo. Eles têm entre 10 e 12 cm, discretos, noturnos e tímidos, preferindo se esconder em lugares escuros e úmidos, como pilhas de entulhos, frestas em casas, roupas e calçados. Devido a isso e a sua capacidade de permanecer meses sem se movimentar, não se aplica mais a dedetização, pois não há eficácia desse tipo de controle.

Em caso de acidente
Os acidentes podem levar à morte, caso a pessoa não seja socorrida e tratada adequadamente. Em caso de acidente, é preciso procurar atendimento médico e evitar soluções caseiras como amarrar o local ou fazer torniquete no membro acometido, aplicar qualquer tipo de substância no local da picada ou “chupar o veneno”, essas ações apenas aumentam as chances de infecção local.


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.