Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
POLÍTICO INFLUENTE
Assembleia de Minas homenageia conceicionense José Aparecido de Oliveira

Ex-deputado, ex-embaixador e primeiro ministro da Cultura no Brasil terá uma reunião especial em homenagem aos seus 90 anos de nascimento

Publicado em 18/02/2019 - 10h18
José Aparecido de Oliveira faria 90 anos se estivesse vivo - Foto: Divulgação

Os 90 anos do nascimento do conceicionense José Aparecido de Oliveira serão lembrados pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em Reunião Especial do Plenário, na próxima quinta-feira, 21 de fevereiro, às 20 horas. A homenagem foi solicitada pelos deputados Betinho Pinto Coelho (SD) e Raul Belém (PSC).

Nascido em 17 de fevereiro de 1929, em Conceição do Mato Dentro, José Aparecido teve intensa participação no cenário político e social do país e na luta pela redemocratização do Brasil após o golpe de 1964 – que cassou seu mandato de deputado federal.

Foi jornalista de diversos veículos de comunicação de Belo Horizonte e exerceu vários cargos políticos, a começar como coordenador de campanha e, depois, secretário do presidente Jânio Quadros. Durante a ditadura civil-militar se dedicou a atividades empresariais e intelectuais, posicionando-se sempre na resistência ao regime.

“Foi um notável homem público, com uma história e uma biografia que honrou e dignificou Minas Gerais e o Brasil, em todas as mais importantes missões que exerceu”, afirma Betinho Pinto Coelho ao explicar a homenagem.

Em 1982, ao recuperar os direitos políticos, foi novamente eleito deputado federal. A pedido do então governador Tancredo Neves, criou a Secretaria de Estado da Cultura. Três anos depois, foi o primeiro ministro da Cultura do Brasil, com o desmembramento da pasta antes vinculada à educação, pelo presidente José Sarney.

Ficou no cargo por apenas dois meses, até maio de 85, por ser nomeado, também por Sarney, como governador do Distrito Federal. Ao lado dos arquitetos Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, responsáveis pelo projeto de Brasília, conquistou para a Capital Federal o título de Patrimônio Cultural da Humanidade. De setembro de 1988 a março de 1990 retornou para o Ministério da Cultura.

Como embaixador, defendeu a unificação do português

José Aparecido era amigo íntimo do ex-presidente Itamar Franco, que o indicou como embaixador do Brasil em Portugal. Na função, ajudou a fundar a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e trabalhou pela unificação ortográfica do idioma.

Ocupou, também, o cargo de Assessor Especial para Assuntos Municipais durante o mandato de governador de Itamar Franco em Minas Gerais. Fora da política, se destacou como grande defensor e incentivador da cultura. Quando morreu, em 19 de outubro de 2007, era presidente da Fundação Oscar Niemeyer, entidade destinada a preservar a obra do arquiteto.

José Aparecido de Oliveira é pai de José Fernando Aparecido de Oliveira (MDB), atual prefeito de Conceição do Mato Dentro, ex-deputado federal e ex-candidato ao governo de Minas Gerais.


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.