Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019
MINERAÇÃO
Anglo American anuncia retomada das operações do Minas-Rio

A empresa substituiu preventivamente um trecho de 4 km de tubulação onde ocorreram os dois vazamentos de material não perigoso

Publicado em 21/12/2018 - 10h25
Foto: Arquivo DeFato

A Anglo American anunciou na manhã desta sexta-feira, 21 de dezembro, a retomada de suas operações. A empresa recebeu todas as aprovações dos órgãos competentes para voltar a produção de minério de ferro no Minas-Rio. O reinício da operação integrada de minério de ferro está sendo preparado e vem após uma extensa e detalhada inspeção técnica do mineroduto de 529 km que transporta o minério de ferro em forma de polpa da mina para o porto, além do reparo preventivo de certas seções da tubulação. A inspeção de toda a extensão do mineroduto por meio de dispositivos especializados (“PIGs”) e a análise dos dados coletados por equipes de especialistas do Brasil e do exterior confirmaram a integridade do duto.

As operações estavam paradas desde março, quando o mineroduto se rompeu pela segunda vez em Santo Antônio do Grama. A Anglo American substituiu preventivamente um trecho de 4 km de tubulação onde ocorreram os incidentes, bem como algumas poucas seções do mineroduto onde os PIGs detectaram anomalias. Além disso, a empresa ainda informou que reduziu de cinco para dois anos os intervalos para as futuras inspeções por PIGs a fim de garantir a integridade do mineroduto a longo prazo, e que instalou um sistema de fibra ótica de sensores acústicos, de temperatura e de vibração ao longo de seções críticas da tubulação para monitorar seu desempenho.

Mineroduto sofreu vazamentos duas vezes em Santo Antônio do Grama / Foto: Arquivo DeFato

Funcionários redistribuídos

Mark Cutifani, CEO da Anglo American, declarou que “a proteção do meio ambiente em volta das comunidades locais e a integridade geral do mineroduto constituíram o foco do nosso trabalho para reiniciar o sistema Minas-Rio e cumprir nossas obrigações com comunidades vizinhas, funcionários, clientes e outras partes interessadas”. Ele parabenizou a equipe que recuperou a qualidade do curso de água e implantou um sistema adicional de abastecimento de água para a comunidade local. “Agradecemos também às nossas equipes técnicas e ao grupo de instituições especializadas do Brasil e do exterior por seu zelo e espírito de parceria e aos nossos órgãos reguladores por sua abordagem construtiva. A rigorosa análise realizada confirmou a ótima condição do mineroduto, e ainda tomamos uma série de medidas preventivas para assegurar integridade a longo prazo”, afirmou. 

Segundo a Anglo American, a maioria dos funcionários da área de produção foi redistribuída nas unidades ao redor do Brasil durante este ano, inclusive nas obras necessárias para garantir a licença operacional da Etapa 3 para Minas-Rio, e treinamentos de segurança e de reciclagem e outros foram disponibilizados desde o início de novembro em preparação para a retomada.

A Anglo American diz esperar que a operação aumente para 1,2 milhão de toneladas (base úmida) por mês e produza aproximadamente entre 16 a 19 milhões de toneladas (base úmida) de minério de ferro em 2019, contando com a expectativa de que as licenças da Etapa 3 sejam recebidas conforme planejado. O Minas-Rio deve reportar uma perda de EBITDA de US$ 320 milhões para 2018, em comparação com a previsão de uma perda de US$ 300-400 milhões.


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.