Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017 -
LEI FEDERAL

Carlin Sacolão pede adequação para que licença-paternidade dos servidores municipais seja de 20 dias

11/02/2017 12h43
Alexandre Santos
DEFATO
Carlin Sacolão durante a cerimônia de diplomação

O vereador Carlin Sacolão Filho (PTN) enviou para a Prefeitura de Itabira nessa sexta-feira, 10 de fevereiro, um indicativo para que o estatuto do servidor municipal seja adequado a uma lei federal que acrescenta mais 15 dias de licença-paternidade aos cinco já estabelecidos.

A lei 13.257/16 artigo 38 inciso II foi promulgada em 2016. O edil explicou, em entrevista ao portal DeFato Online, que como envolve o estatuto, tem de partir da Procuradoria. “Como eu não posso mexer na resolução, eu tenho que mandar um indicativo para o jurídico da Prefeitura, para que seja feita essa adequação”.

Carlin justificou que, além de já ser um direito adquirido, o progenitor vai ter mais tempo para fazer as diversas tarefas necessárias após o nascimento do filho. “Geralmente quando a mãe sai do hospital, no período de resguardo, as vezes o pai precisa de um tempo maior para levar o recém-nascido para tomar uma vacina, pra uma consulta, fazer o registro civil. Se a criança nasceu prematura, por exemplo, o pai tem condições de ficar um pouco mais dentro do hospital acompanhando essa demanda”, disse.

Se você não tem Facebook, utlize o formulário abaixo para comentar.
12/02/2017 - 22h04
Itabirano
itabira
Carlinhos filho,parabéns pela iniciativa em prol do servidor de carreira.Proponho a vc que nos ajude em outra iniciativa com campanhas que inibam o assedio moral no setor publico.Ocorre muito no inicio de governo principalmente,por falta de preparo técnico e conhecimento alguns comissionados levam o servidor ao extremo culpando-os por tudo que é falho e foge de seus padrões. Esquecen-se eles que antes deles tínhamos outros chefes que trabalhavam de forma diferente ou fora dos padrões.Cabe aos novos gestores reverem processos de serviços, traçar metas que sejam mensuráveis motivar sua equipe ou grupo e guia-los para juntos alcançarem seus objetivos.Humilhação,trabalhos impossiveis de ser realizados no tempo estabelecido,pressão,vigilância excessiva ,acusações sempre buscando um culpado para tudo não vão leva-los a lugar nenhum a não ser acometer seus subordinados a depressão.
11 0
14/02/2017 - 13h26
Servidor
Itabira
Pior quando são os próprios colegas de trabalho quem agem assim. E a chefia imediata não intervém
0 0
Novo comentário
Sou cadastrado
Não sou cadastrado
Comentário
Leia mais em: Política
Mais
Emprego