Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017 -
SEM CONCORRÊNCIA

Estudo encomendado pela Câmara denuncia indícios de cartel nos postos de gasolina de Itabira

O levantamento foi apresentado pela Comissão de Defesa do Consumidor nesta quarta-feira
02/03/2017 19h54
Wesley Rodrigues
FERNANDA CARVALHO / FOTOS PÚBLICAS
Análise demonstra que consumidor é prejudicado por falta de concorrência no setor de combustíveis da cidade

Uma pequisa aponta indícios da prática de cartel na venda de gasolina em Itabira. O estudo foi feito recentemente por economistas que atuam no município, a pedido do vereador André Viana (PTN), presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal. O parlamentar quer levar a denúncia à Brasília e chamar a atenção de autoridades para o caso.

O preço do litro da gasolina em Itabira, que opera próximo dos R$ 4, é motivo de reclamação constante de motoristas. Ocorre que o valor dos combustíveis nos postos não pode ser tabelado e teria de ser estipulado pela livre concorrência. No entanto, os preços do derivado do petróleo na cidade são semelhantes em um universo de 40 estabelecimentos.

O levantamento foi apresentado por André Viana nesta quinta-feira, 2 de março, durante a reunião ordinária dos parlamentares. O trabalho é assinado pelos profissionais Lucas Henrique Mateus Ribeiro e Sara Afonso Ramos.

Itabira x Monlevade

A pesquisa apresentada pelo vereador do PTN observou o comportamento de revendedores no período entre 2010 e 2016. Na amostragem mais recente, considerando o mês de dezembro de 2016, o artigo compara os preços praticados em Itabira aos de João Monlevade, cidade vizinha localizada a pouco mais de 30 quilômetros.

No período citado, o litro da gasolina custava para o consumidor R$ 3,95, em média, nas bombas de Itabira (variação entre R$ 3,89 e R$ 3,99). Em Monlevade, esse custo era de R$ 3,79 (média entre valores que iam de R$ 3,64 a R$ 3,99). Com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o documento demonstra que a variação entre os preços de Itabira é mínima e, inclusive, menor que em Monlevade, onde são registrados 28 postos de combustíveis.

No mês de dezembro do último ano, o estudo também comparou o preço de compra da gasolina pelos postos. Em Itabira, proprietários informaram compra da gasolina por valores entre R$ 3,35 e R$ 3,52 no fim de 2016. Em Monlevade, a compra na distribuidora variou entre R$ 3,20 e R$ 3,44. “Podemos dizer que mesmo alguns postos itabiranos tendo acesso ao combustível a um valor menor, eles não o ofertaram a um valor abaixo dos demais”, cita o estudo.

A pesquisa aponta a possibilidade de cartel em Itabira analisando ainda o Índice Concorrencial de Preços (ICP). Ao longo de todos os meses de 2016, não foi registrada concorrência na venda de gasolina na cidade, com a prática de preços similares e com baixíssima variação em todo o período.

A prática do cartel é a padronização dos preços de produtos iguais em empresas semelhantes. É um acordo de cooperação entre empresas que buscam controlar um mercado. A prática é considerada crime pela Justiça brasileira, uma vez que lesa o consumidor.


O estudo foi apresentado pelo vereador André Viana nesta quarta-feira                                           to: Wesley Rodrigues/DeFato

Providências

O economista Lucas Ribeiro resumiu à imprensa que recorreu a metodologias econômicas já comumente utilizadas pelo mercado, com dados da ANP. Ele reforçou que em todos os dados observados não existe concorrência no segmento de combustíveis em Itabira. “Do ponto de vista econômico, há indícios de cartel na cidade”, assinalou.


O economista Lucas Ribeiro                                                                                                             Foto: Wesley Rodrigues/DeFato 

À frente da Comissão de Defesa do Consumidor, André Viana destacou que o estudo “é raso, porém robusto”. O próximo passo, segundo ele, é mobilizar autoridades no assunto. “Eu levarei esse estudo pessoalmente a Brasília. Irei ao Cade - Conselho Administrativo de Defesa Econômica, às secretarias que regulam o preço e pediremos um estudo mais aprofundado. Pretendo cumprir uma diligência de chamar audiência pública e envolver a população dentro do assunto”, disse ele, reiterando seu interesse também de pontuar o tema com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) na Comarca. “É notável que existe algo incomum em Itabira”, lamentou.


André Viana destacou que irá a Brasília denunciar o caso                                                            Foto: Wesley Rodrigues/DeFato

Se você não tem Facebook, utlize o formulário abaixo para comentar.
03/03/2017 - 11h40
Santigo Carlos Ferreira Lins
Itabira
Gente, desde quando se precisa fazer estudo sobre isto aqui em Itabira? A muito tempo isto já vem ocorrendo. Esta ai para quem quiser ver.
9 1
03/03/2017 - 11h02
joyce
itabira
Agora é fazer com os distribuidores de gás. Parabens André Viana, o unico que teve coragem ate agora
11 4
03/03/2017 - 10h48
Aenderson Dias Barbosa
Itabira
Na Av João Pinheiro, o posto Araújo é da mesma rede que de santa Maria de Itabira? Se for!! O valor da gasolina e do álcool em santa Maria é bem menor. Os postos daquela cidade estão com valores mais acessíveis!!
11 0
03/03/2017 - 08h57
Marlon
Itabira
Até que enfim acordaram! O ruim disso tudo é saber que existe, escancarado, e ainda ter que correr atrás de provas!
29 2
02/03/2017 - 23h11
Gustavo
Itabira
Finalmente!!!! Parabéns André Viana por enxergar esta formação de cartel que o povo de Itabira esta cansado de reclamar que a muito tempo existe em Itabira. Esta falta de concorrência dos postos de gasolina se justifica porque a maioria dos postos de Itabira são do mesmo dono é com certeza eles combinam preço. Um exemplo disso é os donos de uma rede de postos de gasolina com postos em Itabira é em Santa Maria de Itabira praticar preços diferenciados, em Itabira eles vendem a gasolina a R$3,99 é em Santa Maria é R$3,95 na lógica como Santa Maria esta mais distante da refinaria o frete deveria ser mais caro é portanto a gasolina seria mais cara também. É difícil entender a matemática usadas por eles.
17 3
02/03/2017 - 22h28
Ronan Fernandes
Itabira
Todos sabemos da existencia dessa pratica. O maior problema esta em provar o cartel. Nao basta os precos serem praticamente iguais. Cidades a mais de 100 km de distancia, Guanhaes, possuem o combustivel mais em conta. Infelizmente, entendo que eh um embate perdido, a nao ser que alguem com farto conhecimento juridico consigajunto a orgaos de defesa do consumidor, com competencia e comprometimento acaba com essa pratica nefasta em Itabira. O povo se soubesse a forca que tem... e hoje ainda podemos contar com as midias sociais.
16 2
02/03/2017 - 21h37
Dutra
Itabira
Aleluia!!!! Ainda bem que alguém esta lutando por nos contra esta cartel de combustíveis em Itabira!!
18 2
Novo comentário
Sou cadastrado
Não sou cadastrado
Comentário
Leia mais em: Política
Mais
Emprego